ViaCircular Transporte Coletivo

Ônibus (Conceitos)

Atualização: Página criada em: 01/01/2022 por César Mattos. Editada em 23/04/2022.

Ônibus - conceitos

Fontes: Todas fontes são devidamente referenciadas, nenhum dado foi retirado do além, informações são comprovadas por fontes publicadas. Qualquer dúvida ou questionamento sobre algum fato entrar em contato pelo email: contato@viacircular.com.br

Índice da página

1. Introdução

1.1. Tipos de Ônibus

De acordo com a Lei nº 9.503, de 1997 (Código de Trânsito Brasileiro), Art. 96, os veículos de passageiros classificam-se em: bicicleta, ciclomotor, motoneta, motocicleta, triciclo, quadriciclo, automóvel, microônibus, ônibus, bonde, reboque ou semirreboque e charrete.

Ônibus x Microônibus
Imagem 1.1.0 – Ônibus x Microônibus.
Fonte: César Mattos.

Nesta página, os veículos de principal destaque são ônibus e microônibus e suas derivações.

1.1.1. Microônibus

Veículo para transporte de passageiros com lotação entre 10 a 20 passageiros sentados e dotado de corredor interno para circulação.

Microônibus
Imagem 1.1.1 – Microônibus.
Fonte: César Mattos.
1.1.2. Ônibus

Veículo para transporte de passageiros com capacidade para mais de 20 passageiros sentados, mesmo que feitas adaptações para carregar menos passageiros.

Ônibus
Imagem 1.1.2 – Ônibus.
Fonte: César Mattos.

1.2. Composição do Ônibus

1.2.1. Piso simples

Veículo em que os passageiros ficam em um piso único, seja piso baixo, alto ou normal. Com ou sem comunicação com o motorista.

Piso simples
Imagem 1.2.1a – Piso simples.
Fonte: César Mattos.
Piso simples: interno, piso normal e piso baixo
Imagem 1.2.1b – Piso simples: interno, piso normal e piso baixo.
Fonte: César Mattos.
1.2.2. Duplo piso (Double Decker “DD” e Low Driver “LD”)

Veículo em que os passageiros ficam em dois pisos sobrepostos total (DD) ou parcialmente (LD) acessados por meio de escada ou outro dispositivo de transposição. Admite-se articulação com duas unidades rígidas acopladas e com comunicação entre elas por passagem livre interna. Com ou sem comunicação com o motorista.

Duplo piso (Double Decker ''DD'')
Imagem 1.2.2a – Duplo piso (Double Decker “DD”).
Fonte: César Mattos.
Piso misto para posição do motorista (Low Driver ''LD'')
Imagem 1.2.2b – Piso misto para posição do motorista (Low Driver “LD”).
Fonte: César Mattos.
DD: Comunicação entre os dois pisos
Imagem 1.2.2c – DD: Comunicação entre os dois pisos.
Fonte: Comil Ônibus.
1.2.3. Articulados / Biarticulados

O Articulado é constituído por duas unidades rígidas acopladas e o biarticulado três, que permitem comunicação entre elas por passagem livre interna. Os passageiros ficam em um piso único, seja piso baixo, alto ou normal. Admite-se dois pisos sobrepostos somente nos articulados. Com ou sem comunicação com o motorista.

Articulados / Biarticulados
Imagem 1.2.3a – Articulados / Biarticulados.
Fonte: César Mattos.
Articulados: interno, com comunicação entre as duas composições
Imagem 1.2.3b – Articulados: interno, com comunicação entre as duas composições.
Fonte: César Mattos.
Biarticulados: interno, com comunicação entre as três composições
Imagem 1.2.3c – Biarticulados: interno, com comunicação entre as três composições.
Fonte: César Mattos.
1.2.4. Com Reboque

Veículo constituído por duas unidades rígidas acopladas, sem livre passagem entre elas. Admite-se piso duplo. Unidades acopladas por meio de engate. Com ou sem comunicação com o motorista.

Com Reboque
Imagem 1.2.4a – Com Reboque.
Fonte: acervo Paulão.
Engate das unidades rígidas acopladas
Imagem 1.2.4b – Engate das unidades rígidas acopladas.
Fonte: acervo Monteiro.
Com Reboque puxado por caminhão
Imagem 1.2.4c – Com semirreboque.
Fonte: César Mattos.

Reboque (1) x Semirreboque (2): o reboque é um veículo destinado a ser engatado atrás de um veículo automotor (não necessita apoio do veículo de tração) e o semirreboque é veículo de um ou mais eixos que se apoia na sua unidade tratora ou é a ela ligado por meio de articulação (necessita apoio do veículo de tração, caso contrário cai no chão).

Reboque (1) x Semirreboque (2)

1.3. Classes de Ônibus

As classes de ônibus[1] são definidas por: Microônibus, Miniônibus, Midiônibus, Ônibus Básico, Ônibus Padron, Ônibus Articulado e Ônibus Biarticulado. Existe uma subclasse que não está mencionada na NBR 15570 e que ao questionar a ABNT sobre o assunto não soube responder, que é a de Van.

Obs. [1]: o número de portas, ar-condicionado, elevador, localização do motor, quantidade de andares, itens técnicos, entre outros não influenciam na classificação POR CLASSE dos ônibus.

1.3.1. Van
Van

Em 1993 a montadora sul coreana Kia introduziu no mercado brasileiro o modelo Best-A – que ficou conhecido como Besta, para competir com a Volkswagen Kombi e popularizar o termo “van”. A van é um intermediário entre o microônibus e o automóvel (na época o termo minivan não era “popular”). Inicialmente não se pode enquadrar na ABNT por não ter corredor interno de circulação. Os modelos iniciais eram para 12 e 16 passageiros, onde existia uma ou duas poltronas basculantes que proviam acesso dos passageiros aos assentos na traseira do veículo. Nas imagens abaixo, acompanha-se a evolução do interior de uma van dos anos 90 até atualmente, podendo notar que o assento basculante não é mais usado nos veículos atuais, apenas “passagens de acesso” aos assentos, visto também que esse espaço de acesso não tinha largura suficiente para ser considerado um corredor de acordo com as normas ABNT (Ver NBR 15570:2011, itens 4.3 e 29).

Van
Van
Van
Van

Em 2012 o CONTRAN revogou o artigo 316/09 e criou o 416/12 onde altera e inclui o novo tipo de transporte intermediário entre minivan e microônibus colocando dentro da categoria Microônibus. Outras resoluções alteram medidas dos bancos, adesivos, películas, etc.: 505/14, 568/15, 646/16 e 753/18.

1.3.2. Microônibus
Microônibus
Capacidade (passageiros): Mais de 8 passageiros sentados incluindo condutor[3]
Peso Bruto Total (mínimo): Menor ou igual a 5 T[3]
Comprimento total máximo (carroceria): Até 7,4m
Taxa de ocupação (PAX em pé/m²): 0
Sistema de suspensão: Metálica, pneumática ou mista
Relação peso e torque / PBT (mínimos): 11 kW/t e 45 Nm/t
Sistema de transmissão: Sem restrição
Tolerância em relação ao solo: 10%
Altura interna mínima: 1800mm
1.3.3. Miniônibus
Miniônibus
Capacidade (passageiros): Mínimo 30 sentados e em pé[2]
Peso Bruto Total (mínimo): Até 8 T
Comprimento total máximo (carroceria): Até 9,6m
Taxa de ocupação (PAX em pé/m²): 4
Sistema de suspensão: Metálica, pneumática ou mista
Relação peso e torque / PBT (mínimos): 9 kW/t e 45 Nm/t
Sistema de transmissão: Sem restrição
Tolerância em relação ao solo: 10%
Altura interna mínima: 1900mm
1.3.4. Midiônibus
Midiônibus
Capacidade (passageiros): Mínimo 40 sentados e em pé[2]
Peso Bruto Total (mínimo): Até 10 T
Comprimento total máximo (carroceria): Até 11,5m
Taxa de ocupação (PAX em pé/m²): 6
Sistema de suspensão: Metálica, pneumática ou mista
Relação peso e torque / PBT (mínimos): 9 kW/t e 45 Nm/t
Sistema de transmissão: Sem restrição
Tolerância em relação ao solo: 10%
Altura interna mínima: 1900mm
1.3.5. Ônibus Básico
Ônibus Básico
Capacidade (passageiros): Mínimo 70 sentados e em pé[2]
Peso Bruto Total (mínimo): Até 16 T
Comprimento total máximo (carroceria): Até 14m
Taxa de ocupação (PAX em pé/m²): 6
Sistema de suspensão: Metálica, pneumática ou mista
Relação peso e torque / PBT (mínimos): 9 kW/t e 45 Nm/t
Sistema de transmissão: Sem restrição
Tolerância em relação ao solo: 10%
Altura interna mínima: 2000mm
1.3.6. Ônibus Padron
Ônibus Padron
Ônibus Padron
Capacidade (passageiros): Mínimo 80 sentados e em pé[2]
Peso Bruto Total (mínimo): Até 16 T
Comprimento total máximo (carroceria): Até 14m / 15m com 3º eixo
Taxa de ocupação (PAX em pé/m²): 6
Sistema de suspensão: Pneumática ou mista
Relação peso e torque / PBT (mínimos): 9 kW/t e 50 Nm/t
Sistema de transmissão: Sem restrição
Tolerância em relação ao solo: 5%
Altura interna mínima: 2000mm
1.3.7. Ônibus Articulado
Ônibus Articulado
Capacidade (passageiros): Mínimo 100 sentados e em pé[2]
Peso Bruto Total (mínimo): Até 26 T
Comprimento total máximo (carroceria): Até 18,6m
Taxa de ocupação (PAX em pé/m²): 6
Sistema de suspensão: Pneumática ou mista
Relação peso e torque / PBT (mínimos): 8 kW/t e 45 Nm/t
Sistema de transmissão: Automática
Tolerância em relação ao solo: 5%
Altura interna mínima: 2000mm

Superarticulado: o termo “superarticulado” apareceu pela primeira vez mencionado em uma matéria escrita por Sônia Crespo, da revista Transporte Moderno nº 431, pág 39, set-2008, onde falava sobre o lançamento do chassis Scania K310 8×2/2 que tinham 2 eixos no vagão traseiro do ônibus articulado. Após isso a Mercedes-Benz lançou o O-500MDA (piso alto) e O-500UDA (piso baixo) e foi onde popularizou o termo. Até então ainda não existe uma oficialização do termo “Superarticulado” mas subentende-se que é o articulado com 2 eixos no vagão traseiro.

Ônibus Superarticulado
1.3.8. Ônibus Biarticulado
Ônibus Biarticulado
Capacidade (passageiros): Mínimo 160 sentados e em pé[2]
Peso Bruto Total (mínimo): Até 36 T
Comprimento total máximo (carroceria): Até 30m
Taxa de ocupação (PAX em pé/m²): 6
Sistema de suspensão: Pneumática ou mista
Relação peso e torque / PBT (mínimos): 7 kW/t e 42 Nm/t
Sistema de transmissão: Automática
Tolerância em relação ao solo: 5%
Altura interna mínima: 2000mm

Obs. [2]: inclui área reservada para cadeira de rodas e/ou cão-guia.

Obs. [3]: alterado pela resolução 416/12 do CONTRAN.

1.3.9. Outras classes

Desde a criação do ônibus até a regulamentação, existiram vários modelos e tipos de ônibus não mais comercializados e também projetos especiais, tais como:

1.3.9.1. Sistema tipo cavalo-reboque (Romeu e Julieta): veículo tipo acoplamento de unidades independentes do tipo cavalo-reboque, onde o “cavalo” realiza a tração puxando o reboque. Tem possibilidade de desconectar o reboque e circular somente com a parte da frente do veículo (cavalo). Popularmente ficou conhecido como Romeu e Julieta.

Romeu e Julieta
Imagem 1.3.9.1 – Romeu e Julieta.
Fonte: Marcopolo.
Romeu e Julieta
Imagem 1.3.9.1a – Romeu e Julieta com articulação. A articulação era estética, não tem comunicação interna entre vagões.
Fonte: Transporte Mundial.

1.3.9.2. Sistema tipo cavalo-semirreboque (Papa fila): veículo tipo acoplamento de unidades onde a segunda unidade fica apoiada sobre os eixos da primeira unidade (cavalo). Puxada pelo veículo de tração sendo um caminhão e o semirreboque uma carroceria montada especialmente para transportar passageiros. Popularmente ficou conhecida como Papa-fila ou Papa Fila (ambos termos utilizados nas referências consultadas).

Papa fila
Imagem 1.3.9.2 – Papa fila com semirreboque feito a partir de carroceria de ônibus.
Fonte: NTU.
Papa fila
Imagem 1.3.9.2a – Papa fila com semirreboque feito a partir de carroceria de caminhão.
Fonte: Werner Keifer.

1.3.9.3. Ônibus Escolares: a partir de 2007 o FNDE – Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação finalizou um estudo para regularização e padronização dos ônibus escolares. Assim nasceram os modelos ORE ZERO, ORE 1, ORE 2, ORE 3, ONUREA PA e ONUREA PB. ORE: Ônibus Rural Escolar; ONUREA: Ônibus Urbano Escolar Acessível, Piso Alto (PA) ou Piso Baixo (PB). Mais detalhes sobre os modelos na página Programa Caminho da Escola.

Ônibus Escolares
Imagem 1.3.9.3 – Ônibus Escolares.
Fonte: César Mattos.

1.3.9.4. Ônibus de turismo – Jardineira, Sightseeing: ônibus especiais fabricados para o propósito específico de oferecer melhor visibilidade aos passeios turísticos. O termo “Jardineira” começou a ser utilizado nos anos 1920. Até hoje são feitas adaptações em carrocerias disponíveis no mercado chamados de “Jardineira” com janelas especiais ou então em termo internacional: “sightseeing”.

Ônibus Turísticos com fabricação especial
Imagem 1.3.9.4a – Ônibus Turísticos com fabricação especial.
Fonte: César Mattos.
Carrocerias existentes fabricadas com propósito especial de turismo
Imagem 1.3.9.4b – Carrocerias existentes fabricadas com propósito especial de turismo.
Fonte: César Mattos.

2. Fabricação / Componentes

Os veículos (chassi-plataforma/carroceria ou monobloco) são projetados para que durem no mínimo 10 anos de uso ou 1.000.000 de km rodados. Eles devem suportar vários fatores de interferência de operação, tais como suportar obstáculos das vias, curvas, aclives/declives acentuados, etc, suportar o próprio peso estrutural e cargas adicionais conforme seus opcionais.

2.1. Estrutura Técnica do Ônibus: Mecânica

Estrutura Técnica do Ônibus: mecânica

Escolha um tópico para ver mais detalhes:

Função desabilitada

Menu